25 março 2015

Talvez dure por falta de promessas.

Nunca consegui mentir pra você, eu sei. E eu realmente sinto a sua falta. Por isso eu te procurei, enviei aquela foto e o máximo que eu esperava era a sua educação de responder que também sentia a minha falta. Eu já estava acostumada com isso. É que de vez em quando eu tinha a necessidade de me machucar pra saber se eu ainda sentia alguma coisa. E vez ou outra meus pensamentos me torturavam com a nossa história. 
A minha maior surpresa Gru, foi a sua resposta. Era perto de meia noite e você sempre gostava de conversar comigo nesse horário. Eu não sabia que ainda se importava, que ainda pensava em mim, e que ... nunca tinha me esquecido. Mais de um ano se passou e nossas vidas tomaram rumos totalmente diferentes. Eu acompanho a sua felicidade de longe. Arrisco até um meio sorriso quando vejo suas fotos e publicações. Mas desculpa, mas eu percebia tristeza em meio a esses holofotes exibindo felicidade. Bom, eu te conheço, e não me enganei. 
Você começou a desabafar. E a cada palavra que você digitava. Eu me sentia destruída por dentro. E você me disse tudo o que um dia eu quis. Só que na hora errada. 
Eu nunca vou esquecer aquela tarde em que encostei minha cabeça no seu peito e senti seu coração bater mais forte e sua respiração ofegante. Lembro de você mexer no meu cabelo, fazer carinho no meu rosto e brincar com o meu nariz. Gru, os seus olhos. Eu sempre fui apaixonada por eles. Era intenso. Forte. Revelador. Aqueles olhos castanhos claros que me faziam acreditar em um universo que conspirava ao nosso favor por causa das suas atitudes e palavras. Em um momento você me perguntou: R U mine?
Seus olhos descansaram sobre os meus. E eu nunca esqueci do único beijo que nós demos. Eu sei eu prometi que jamais contaria isso pra ninguém. Mas é que falando, eu divido a dor de não te ter comigo e assim tenho a sensação de que um dia isso vai passar. Mas não vai. A gente sempre acaba voltando um pro outro. De uma forma ou de outra. Eu não entendi sua decisão depois daquele dia. Você sumiu da minha vida sem me falar um ou o porque. E quando apareceu, co(a)ntou suas felicidades. E eu? Eu virei o rosto. Eu fingi não me importar. Até te cumprimentei e você. Você ficou anestesiado e falou do meu cheiro, como sempre. Demonstrei não me importar. Como sempre fiz. O problema é que você não soube o quanto eu chorei quando cheguei em casa por ter visto aquela cena.
É... os anos passaram.
E nós? Nós não existimos. Nós só existimos naquela tarde, nos meus pensamentos e nos seus sonhos. Sabe, eu tenho muito pra te falar. Não arrisco dizer que eu te amo. É diferente. É muito maior, é muito intenso pra ser esse amor que acontece todos os dias. E que acabam todos os dias. O nosso não acabou. E não vai acabar. Porque eu sei que cada momento que você se faz presente, significa que você não me esqueceu. E sei que não vai esquecer porque o que eu fiz você sentir, ninguém mais vai fazer.É algo nosso. Eu não te prometo amor. Não te prometo nada. Talvez dure por falta de promessas.
Não se esqueça: Eu sempre estarei aqui.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário