16 outubro 2010

me irrita.



Eu sempre tive pavor de perguntas simples, elas sempre me encomodaram, nunca sei o que responder, tenho medo ás vezes de saberem o que realmente penso sobre tudo, sobre todos, não sei se medo é a palavra pra definir isso,me irrita! Mas fico receiosa quando alguem me pergunta, quais são os meus sonhos, por exemplo, eu não sei responder, talvez por que eu não tenha sonhos, quase inadimissível isso né? Mas é a pura verdade.
Ou então quando me perguntam se eu amo alguém, é simples não é? Um sim ou um não. Mas pra mim é complicado demais. Eu não sei se amo, eu não sei se o que eu sinto é realmente sentimento, ás vezes até acho que não tenho sentimento. Ás vezes pra mim tanto faz, ter uma pessoa do lado ou não,eu posso amar, mas amo do meu jeito, e muita vezes o meu jeito não é o jeito esperado pela pessoa, por isso que não sei se tenho sentimento, se da minha forma de sentir é realmente sentimento. O que me torna mais humana talvez, são as experiencias que eu tenho com algumas pessoas, elas que eu mal conheço me provam e me ensinam muita coisa com a vida deles, e também uma cicatriz que tenho no joelho, de uma queda que levei quando criança.Eu odiava brincar, sair correndo, achava tudo aquilo patético, e na única vez que inventei de fazer isso na aula de recreação, levei uma queda muito grande e fiquei com um cicatriz imensa no joelho.
Outro exemplo de pergunta que me fazem é: Andressa, o que você acha de mim?
Eu não sei o que responder, ás vezes não acho nada, ás vezes eu acho tudo, ás vezes tenho preguiça de falar, e ás vezes simplesmente acho um saco uma pessoa querer saber o que outra pessoa acha dela. Pra que isso gente? Eu tenho plena consciencia de quem eu sou, sei dos meus inumeros defeitos, sei das minhas mízeras qualidades, e sinceramente até hoje eu não sei como as pessoas gostam de mim, por que sinceramente : nem eu me suporto.
Mas um dia, uma pessoa exatamente como eu, aliás, uma pessoa superior a mim, mais inteligente do que eu, mais sincera talvez, disse que já tinha tentado de todas as formas ficar com raiva de mim,que tinha tentado me deletar da sua vida, mas que não tinha conseguido, por eu ser uma pessoa bipolar, oposta, dual. Exemplificando: sou dura e sensinvel ao mesmo tempo,forte e fraca, meiga e bruta, louca e centrada, gosto de fazer tudo e nada, e posso explodir com uma pessoa ou simplesmente ignora-la como se ela fosse um nada.
Aliás quando eu faço isso, ignoro, é que realmente as pessoas precisam se preocupar, porque enquanto eu grito, choro, faço escandalo, passo mal, tudo bem, eu ainda gosto da pessoa.
Outra pergunta que me fazem é: Andressa o que você acha de você?
Eu não sei o que eu acho de mim, eu não sei quem eu sou, eu acho que eu sou a pessoa que menos me conheço,eu sou descontrolada, e ao mesmo tempo tenho um equilibrio enorme dentro de mim.
Não me pergunte o que é certo ou o que é errado que isso depende do dia. Porque tudo que eu queria era cometer novos erros, mas eu insisto em cometer os mesmos.
Tem outra coisa que me irrita, além de todas essas perguntas que eu não sei responder.
É simplesmente quando existe um assunto que não dá pra ser resolvido, e as pessoas não se tocam disso e querem resolver a todo custo, gente seria tão mais fácil deixar o passado no passado, por existem coisas que simplesmente não dão pra resolver e assuntos que nunca mais devem ser mencionados.
Mas talvez se eu me irritasse menos com coisas tão pequenas e procurasse uma resposta qualquer pra essas perguntas, seria mais fácil de me entender. Mas me entender não é pra qualquer um.
Então prefiro ser para poucos.
Reações:

5 comentários:

  1. Ao ler esse post me lembrei de um techo de uma música do legião urbana que é:

    "Sempre precisei de um pouco de atenção,acho que não sei quem sou, so sei do que não gosto"

    Me identifiquei com varias partes do seu texto, e acho tão normal sermos bipolares as vezes.
    Sermos inconstantes, acho que todo mundo é um pouco assim, so que tem pessoas que conseguem disfarçar bem, outras não!


    Beijos flor

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. A Ariana citou um trecho de musica do Renato, e eu cito esse:
    "Quero me encontrar mas não sei onde estou...Vem comigo procurar algum lugar mais calmo. Longe dessa confusão, e dessa gente que não se respeita, tenho quase certeza que eu não sou daqui!"

    rs..
    Sei que você não é a unica a se sentir assim.
    A gente nunca sabe de verdade quem somos.
    Digo que nem eu me conheço totalmente, pois não sei do que sou capaz em determinada situação. Alem disso, não sou a mesma sempre. Não sou a mesma do mês passado, do ano passado...E tlvz não seja a mesma amanhã. A gente muda. E como muda!
    A essência é que permanece.

    beijO grande e um abraço apertaaaado!

    ResponderExcluir
  4. Amei o texto! Me identifiquei em algumas partes, e tirei uma lição muito boa dele: que o passado é passado. E existem assuntos que nunca mais devem ser mencionados!

    Beijo grande Andressa! =)

    ResponderExcluir
  5. E eu hei de concordar.
    mas sabe esta ultima parte, eu li e reli...
    Porque por mais que eu concorde que passado é passado, tem uma coisa em mim que me torna irritante: eu não consigo de parar de tocar em assuntos que não estão totalmente resolvidos. é uma coisa minha, até eu me irrito ás vezes comigo mesma por isso mas, incomoda a mim coisas pela metade. Enquanto não me permitem concluir tais assuntos, enqnto não tiverem os pontos no "i" eu catuco...

    ... EU SOU IRRITANTE O.O
    (risos)

    BeijosEstalados!

    ResponderExcluir