14 abril 2011

Muro de cimento.

Um dia posso ter esboçado uma compaixão. Vi que por mais tranquila que minha mente estivesse, o olhar no rosto e dizer bom dia ainda me amendrontava. É ruim olhar para aqueles que já lhe fizeram ter um espinho encravado no peito, algum dia, e sempre que achamos que já passou, volta aquele sentimento. Nada muda. É um perdão que traz paz para a mente mas amedronta o olhar. Talvez a vida seja visual, até mesmo para os cegos que possuem os olhos da alma, o que considero o verdadeiro olhar. Esses mesmos olhos que enxergaram sua insconstância à distância. O papel de carta possui no email seu espelho em outra época e todos aqueles bilhetinhos amassados deixaram para os recados offline no msn e scraps, toda carga sentimental e a sensibilidade de perceber pela letra, o tom de voz. Uma segunda chance foi tão iluminada para um poço tão pequeno, que clareou demais ao ponto de perceber o quanto eu te sinto. Me incomoda saber que não te tiro mais o sono, que o seu vazio de gostar demais não foi provocado por mim. Escuto suas lamúrias como uma amiga que já passou por isso e me calo para não ouvir de dentro que o meu vazio era pela sua falta. Homem, você não sabe o quanto eu te amo! Já te joguei às margens do que existe de cruel, canalha, puto... Já te odiei com a força de alguém que ainda tem esperança e talvez, a compaixão tenha vindo disso. Te percebo com seu mau-humor diário, com a inconstância do seu signo, cedo uma parte minha que fica latente ao seu nome e que cai na realidade quando percebe que você ainda é o mesmo, só que com outra. Eu aceito isso como algo natural da vida, não como minha verdade. Estarei sempre amarrando a minha verdade, pois ela soa ilegal por tanta honestidade. Uma obsessão que beirou à insanidade. Não vou colocar a perder o muro que construi com tanto zelo e cimento, agora.


Jordana e Andressa
(Texto antigo.)



Reações:

9 comentários:

  1. Oi amiga, isso mesmo não derrube as muralhas q construiu e por favor, não cultive ódio ele vai te fazer sentir-se mal.Bjk♥

    ResponderExcluir
  2. Êita...
    São desses texto que tenho saudades, que sinto arrepios, o que se tem dentro d'alma sai como força de um grito ultrapassando o muro das lamentações.

    Saudades Andressa.
    Abraço do Amigo Baerdal

    ResponderExcluir
  3. nossa engraçado como eu sinto a mesma coisa por algumas pessoas do meu passado
    mas acho q isso é normal apesar de tudo
    hehe

    beijosss
    otimo texto

    ResponderExcluir
  4. (...)
    às vezes dá vontade que tudo mude junto com algumas coisas que deixaram de ser, mas não... ainda dá frio na barriga, suor nas mãos e aperto no peito de saudade. é isso que é pra sempre? (...)

    fernand's

    ResponderExcluir
  5. Cada dia me encanto mais por aqui...

    Beeijo

    ResponderExcluir
  6. Acho que sou doida, Andressa, mas consigo perceber o humor da pessoa com quem estou teclando pelo MSN ou Skype apenas pelas letrinhas, quando se trata de alguém com quem tenho um vínculo afetivo mais estreito.

    Repito : acho que sou doida.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. É sempre assim mesmo, a gente jura que esquece, mas é só vê-lo que tudo volta. Amei o texto! E teu blog é uma fofura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Que luxo em flor;
    Adorei tudinho viu!
    Xero bem grande pra você
    Fica com Deus'
    #

    ResponderExcluir
  9. Você escreve muito bem, pude notar sua intensidade aqui.
    Adoro seu blog (:
    era sobre essa pessoa que você comentou no meu blog falando sobre o passado e o quanto os textos nunca pareciam bons o suficiente?

    ResponderExcluir