12 abril 2012

Conclusões.

Não sou uma pessoa legal. Sou centralizadora, controladora, tudo tem que ter o meu tom e a minha forma. Sempre acho que meu jeito de fazer é melhor, por isso me estresso tanto. E daí se o outro tem uma forma peculiar de dobrar uma toalha? É difícil demais entender mudanças e diferenças. Aliás, acho que se fosse fácil aceitar o outro exatamente como ele é existiria mais respeito no mundo e, consequentemente, mais paz entre as pessoas.
Tenho um jeito meio estranho de lidar comigo. Nem sempre me aceito, nem sempre me entendo, nem sempre me dou a mão. E como é essencial a gente se dar a mão, meu Deus! Olhar para dentro pode ser desesperador e doído. A gente carrega muitas coisas no peito, nas costas, na memória. E é preciso tentar viver bem com passado, presente e futuro batidos e misturados dentro da coqueteleira interna. Não é tarefa fácil, não. Requer esforço e uma capacidade bonita de perdoar.
Não sei se consigo perdoar. No fundo ainda me culpo. E acho que a gente sempre se culpa por uma coisa ou outra. Não sei se consigo perdoar o outro. É difícil. Tem coisa que não dá pra esquecer. Algumas cenas ficam na memória. A gente consegue ouvir direitinho a voz da outra pessoa dizendo aquele bando de palavras ruins. E aquilo fica ecoando na cabeça, maltratando o coração. Mesmo que eu diga tudo bem, você está perdoado, vou carregar tudo na lembrança. E vez ou outra a bagagem pesa demais, é preciso parar, descansar, tomar uma água e continuar. É preciso dar um tempo. Ele, o famoso tempo, aquele cara que ninguém gosta, mas que feliz ou infelizmente cura tudo. Tudo mesmo.
Reações:

3 comentários:

  1. Respostas
    1. Ah, achei que tinha sido tu que tinha escrito :B

      Texto bacana, Andressa. bjs

      Excluir
    2. Eu fiz algumas alterações nele amada.

      Excluir